terça-feira, 9 de agosto de 2016

8 pensamentos de prosperidade, por T. Harv Eker

8 pensamentos de prosperidade, por T. Harv Eker
1) Vendedores de mentalidade rica pensam “Eu ajo e crio minha vida”. Vendedores de mentalidade pobre pensam “as coisas acontecem comigo e reajo”.
2) Vendedores de mentalidade rica jogam o jogo para ganhar. Vendedores de mentalidade pobre jogam para não perder.
3) Vendedores de mentalidade rica se dedicam a serem ricos. Vendedores de mentalidade pobre sonham com a riqueza.
4) Vendedores de mentalidade rica pensam em oportunidades. Vendedores de mentalidade pobre pensam em obstáculos.
5) Vendedores de mentalidade rica são maiores que seus problemas. Vendedores de mentalidade pobre são menores que seus problemas.
6) Vendedores de mentalidade rica planejam para diminuir riscos. Vendedores de mentalidade pobre deixam os riscos paralisá-los.
7) Vendedores de mentalidade rica estão sempre aprendendo e se adaptando. Vendedores de mentalidade pobre estão estagnados e acham que já sabem tudo.
8) Vendedores de mentalidade rica se associam e convivem com outras pessoas de sucesso. Vendedores de mentalidade pobre se distanciam das pessoas de sucesso e passam a conviver com quem os mantêm na zona de conforto.
(Fonte: Segredos da Mente Milionária, T. Harv Eker, Ed. Sextante)

sexta-feira, 11 de março de 2016

Vendedor que aborda na porta da loja espanta cliente.

Vendedores ansiosos, de mau humor ou que não conhecem os produtos oferecidos são alguns dos tipos de atendente que incomodam e chegam a espantar clientes.
1. Abordar o cliente na porta da loja
Vendedor que mal esperam o cliente entrar na loja para abordá-lo incomoda e pode fazer o consumidor desistir da compra. 
"O vendedor deve dar espaço ao cliente, deixá-lo olhar os produtos e se manter no campo de visão dele pronto para ajudá-lo. É preciso observá-lo por um tempo, deixá-lo à vontade e só então oferecer ajuda", indica Claudio Felisoni, professor de varejo da FIA (Fundação Instituto de Administração).
2. Ficar de braços cruzados ou de cara fechada
Ficar de braços cruzados, sentado ou com uma expressão mal-humorada faz com que os clientes evitem a abordagem, aponta Luis Henrique Stockler, sócio da consultoria baStockler. Frente a um atendente de mau humor, o consumidor procurará outro vendedor ou até mesmo outra loja para realizar a compra.
"O consumidor deve ser recebido com um sorriso no rosto e uma expressão positiva. O vendedor deve se mostrar disposto a ajudar. O cliente percebe quando há má vontade no atendimento".
3. Subestimar o poder de compra do cliente
Especialmente em lojas de artigos de luxo, há vendedores que dão pouca atenção ao cliente que veste roupas simples, como chinelos e bermuda, conta Carlos Cruz, diretor do IBVendas (Instituto Brasileiro de Vendas).
Apesar de desejar e ter dinheiro para comprar algum artigo da loja, esse consumidor acaba desistindo por não gostar do atendimento. "Esse cliente deve ser tratado da mesma forma como qualquer outro. Não se deve fazer nenhum pré-julgamento", declara.
4. Mostrar produtos que não têm a ver com o que o cliente pediu
Outro hábito de vendedores que incomoda o consumidor é o de trazer várias opções que não se adequam ao item pedido. Para piorar, há atendentes que insistem para que o cliente compre algo diferente do que desejava. 
"Isso poderia ser evitado com algumas perguntas. Por exemplo, se o cliente pede um terno, o vendedor pode perguntar para qual ocasião seria. Um terno para casamento é diferente de um usado no trabalho. Dessa forma, o atendente consegue ser mais assertivo nas opções que vai mostrar ao comprador", afirma Carlos Cruz.
5. Desconhecer os produtos da loja
O consultor afirma, ainda, que é frustrante quando o cliente pergunta algo sobre um produto e o atendente não sabe responder. Segundo ele, mais vendas poderiam ser feitas se os vendedores conhecessem melhor as mercadorias e os serviços oferecidos pela empresa.
"É extremamente importante o funcionário saber o que há no estoque, como o produto funciona, para que ele serve e, inclusive, quais outras mercadorias poderiam complementá-lo. Ele precisa convencer o cliente para concluir a venda", sugere Stockler.
6. Demonstrar falta de paciência
Para Felisoni, a impaciência de alguns vendedores pode irritar o consumidor e fazer com que ele deixe a loja. De acordo com o professor, há atendentes que apressam o consumidor enquanto ele prova um produto e que até mesmo dizem que vão fazer outra coisa e não voltam mais.

"O vendedor precisa atuar como um consultor de vendas, principalmente quando o cliente tem dúvidas em relação à compra. E, para oferecer a melhor solução para o consumidor, é preciso ouvi-lo".
fonte: http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2014/05/23/vendedor-que-aborda-na-porta-da-loja-espanta-cliente-veja-erros-na-venda.htm#fotoNav=1

sábado, 5 de março de 2016

Estamos em Março hora de rever as metas!!!

Provérbio chinês? "Se quiser derrubar uma árvore na metade do tempo, passe o dobro do tempo amolando o machado"

Estamos em Março!!!
Hora de rever as metas e fazer um balanço do que você planejou para 2016.
As pessoas de sucesso investem horas todos os meses criando, trabalhando e modificando seus planos e objetivos.
Observe e avalie seu progresso, corrija sua rota se for necessário.
Reavalie suas metas atualize seu planejamento considerando que você tem ainda 10 meses pela frente.
Alguns passos podem ajudar:
Verifique os avanços e faça um levantamento das dificuldades encontradas, analisando atentamente seus resultados.
Reflita: Porque não consegui atingir algumas metas?
Onde preciso focar agora? Qual ponto deve incluir no planejamento?
O que devo fazer para atingir meus objetivos?
Atenção não adianta querer recuperar o tempo perdido e tentar compensá-lo acumulando tudo para o tempo que resta. As metas devem ser possíveis de serem alcançadas.

sábado, 22 de agosto de 2015

6 maneiras baratas de conquistar clientes

1. Melhore a qualidade do seu produto
A primeira dica é focar na qualidade do que você oferece. "Você naturalmente conquista um cliente tendo um bom produto ou serviço, além do atendimento. É muito difícil que seu cliente vá substituí-lo por outro fornecedor se você tiver um item de qualidade. Não só isso: ele também vai fazer a propaganda do seu negócio", diz Leticia.
2. Conheça seu cliente e faça bom uso das informações
Uma boa forma de você começar a conquistar os clientes é entendendo o perfil deles, diz a professora da ESPM. Uma maneira barata de conhecê-los é simplesmente batendo um papo com a clientela, recomenda. Para Filho, um conceito para prestar atenção nessa estratégia é o de "estilo de vida": como o cliente gasta tempo e dinheiro.
Se você resolveu contatar possíveis clientes fora do local de negócio, é bom trabalhar no seu banco de dados. Segundo Beatriz, as pessoas não querem ser abordadas por empresas das quais elas nunca ouviram falar. Como exemplo, Filho cita o spam e as pop-ups, estratégias de comunicação que os clientes não costumam aprovar.
3. Invista em atendimento, durante e após a venda
Para Beatriz, o grande diferencial hoje em dia é o atendimento. "O cliente até paga um pouco mais porque a empresa atende bem e oferece as coisas certas. É bom trabalhar com a pontualidade: o cliente veio procurar aquilo que ele quer", recomenda a consultora. Ou seja: nada de incentivar os vendedores a oferecerem sandálias se o cliente está buscando uma bota, por exemplo. Leticia endossa o conselho. "Você tem que preparar muito bem quem vai atender o cliente, se não for você mesmo". 
Outro ponto é evitar deixar o cliente sem resposta após uma reclamação. "Nós estamos falando em relacionamento de médio e longo prazo, e ele pode se desgastar se as coisas não se resolverem. Não tem mágica: as boas empresas trabalham em cima de relacionamento. Ele exige investimento e dedicação, mas funciona", diz Filho. "Não deixe o cliente na mão. Isso é muito valorizado no mercado. A maioria dos empreendedores ainda não percebeu isso aqui no Brasil", declara Leticia.
4. Alie-se a outras empresas
Segundo a professora da ESPM, fazer parcerias com empresas que possam angariar clientes para você é uma estratégia barata. Em alguns modelos de parceria, a empresa só tem um custo quando realmente fechar um negócio. Assim, você consegue atingir um público que você não atingia antes.
A consultora Beatriz cita outro exemplo de parceria: as promoções feitas com negócios complementares, que têm o mesmo público-alvo mas produtos diferentes. Por exemplo, uma loja de sapatos e outra de roupas podem fazer um folheto em parceria, o que diminui os custos para ambas e faz com que a divulgação aconteça nos dois ambientes.
5. Defina o raio de atuação da sua empresa 
Uma pergunta que todo dono de negócio deve se fazer é a de quanto seus clientes estão dispostos a se deslocar para ir ao seu empreendimento. "Não fique gastando dinheiro com pessoas distantes do seu raio de atuação. O cliente só vai se deslocar se valer muito a pena, e sempre estará procurando substitutos próximos. Faça uma propaganda mais localizada - além de ser mais eficiente, os custos diminuem", aconselha Leticia.
6. A comunicação vai mal? Aja por conta própria
Se você acha que seu negócio não está atraindo tantos clientes, considere a possibilidade de ter de se dedicar pessoalmente à comunicação e ao marketing. "É importante o próprio empreendedor garimpar informações. Ele precisa reservar tempo para isso. Às vezes, ele corre atrás de muita coisa, mas não se dedica a esse assunto, porque acha que o cliente vem sozinho. Ele precisa conhecê-lo, perguntar o que ele pensa. É um exercício obrigatório para os empreendedores". Fonte: Bento Alves da Costa Filho, coordenador do MBA em Marketing e Varejo do Ibmec/DF. (22/08/2015, http://exame.abril.com.br/pme/noticias/6-maneiras-baratas-de-conquistar-clientes)

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

8 Atitudes Vencedoras dos Campeões de Vendas

Atitude 1 – Pela manhã me levanto para vencer.
A mente é uma terra fértil que tudo produz. Se você semear pensamentos positivos, otimistas, colherá vitórias.
Aprenda a observar o lado bom e positivo das coisas. Seja um divulgador de boas notícias.

Atitude 2 – Sou movido com metas e objetivos.

Tenha sempre um sonho para não se acomodar ou sentir-se satisfeito com o que já conseguiu.
Objetivos ter e fazer são mais comuns, mas é fundamental você também estabelecer objetivos relacionados a ser.
Coloque suas metas e objetivos no papel
Metas e objetivos não registrados são meras intenções. Quando escritos, eles transformam-se em compromissos.
Leia seus objetivos regularmente para reforçá-los na sua mente. A mente humana é perseguidora de objetivos.

Atitude 3 – Não desperdiço meu tempo.
Perder tempo é perder vida. Analise a importância do fator tempo na sua vida.
Em momentos difíceis, dedique mais tempo ao trabalho e não a se lamentar.
Elimine os desperdiçadores de tempo.
Quanto do seu tempo você desperdiça diariamente em coisas que não lhe acrescentam nada?

Atitude 4 – Penso, logo vendo.
Comprometa-se com os objetivos da empresa que trabalha. Assim você conquistará confiança e promoções.
Lembre-se que o caminho mais curto para fazer muitas coisas é fazer uma de cada vez. Termine bem o que começou.
Pense em tudo que você disser ou fizer.
Vencer é um processo mental, não apenas físico. Use a cabeça em todos os momentos. Não faça do seu trabalho uma atividade mecânica.
Tenha sempre uma razão inteligente para tudo que disser ou fizer.
Estimule sua criatividade, procurando soluções para produzir mais.
Descubra necessidades reais do seu trabalho.
Cultive um bom relacionamento com todas as pessoas da empresa e de seus clientes. Isso é uma fonte de boas e novas oportunidades.

Atitude 5 – O medo e as dúvidas não me dominam.
Tire da cabeça sentimentos negativos, frustrações, dúvidas e humilhações decorrentes de ações malsucedidas. Analise e aprenda o acontecido e depois pense apenas nas próximas ações.
Identifique as causas dos seus medos.
Só existe uma maneira de superar nossos medos: é enfrentá-los diretamente. Seja verdadeiro e não se esconda de você mesmo.
Elimine o sentimento de rejeição.
Acredite: você ficou mais preparado para as suas próximas tentativas. Sorria e não desanime.

Atitude 6 – Nunca desisto.
Nada é definitivo. Para qualquer problema sempre existe uma solução. Um não hoje não é um não para sempre.
Sempre há uma maneira de superar os obstáculos da vida.
Não culpe os outros pelos seus insucessos. Toda vez que você faz isso, você está deixando de pensar numa solução.
Tente, mas de forma diferente.
Seja persistente, mas com inteligência. Busque outras maneiras de buscar novas oportunidades. Caminhos iguais levam sempre aos mesmos resultados.
Procure conversar amigavelmente com as pessoas que podem lhe ajudar, ou atrapalhar.
Grandes exemplos de sucesso mostram que não foram conquistados da noite para o dia.

Atitude 7 – Acredito na força do entusiasmo.
O entusiasmo é uma energia que vem de dentro das pessoas. Não bloqueie essa energia.
Para ficar entusiasmado, obrigue-se a agir diariamente com entusiasmo. Pessoas sem brilho nos olhos não são estimulantes.
Preocupe-se com sua apresentação pessoal. Isso indica que você gosta de você mesmo.
Olhe nos olhos das pessoas. Não baixe o tom de sua voz, mantenha-o sempre firme, com convicção.
Vibre com as coisas que faz. Trabalhar não significa se sacrificar. Quem ainda pensa assim ainda vai sofrer muito na vida.
Se você não gosta do que faz, procure outra profissão. Com cuidado, mas vá buscar o que você quer.

Atitude 8 – Aprendo alguma coisa todos os dias.
Não é obrigação dos outros ensinar você. É você que precisa ir buscar seu aprimoramento, sua evolução.
É bom ter um pouco de humildade para reconhecer que não sabe tudo.
Leia. O tempo e a inteligência que você perde assistindo TV, use para ler livros que possam ajudar os seus objetivos.
Procure conhecer novas pessoas interessantes, que lhe tragam novos conhecimentos e experiências de vida.
Amanhã você terá mais conhecimentos e valerá mais do que hoje. Se continuar se aprimorando.
Tire lições dos seus erros. Ficar se lastimando não ajuda em nada.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Rapport

  • Rapport é um conceito do ramo da psicologia que significa uma técnica usada para criar uma ligação de sintonia e empatia com outra pessoa.

  • Esta palavra tem origem no termo em francês rapporter que significa "trazer de volta". O rapport ocorre quando existe uma sensação de sincronização entre duas ou mais pessoas, porque elas se relacionam de forma agradável.

  • Esta técnica é muito útil, porque cria laços de compreensão entre dois ou mais indivíduos.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

EVOLUÇÃO


EVOLUÇÃO: Desenvolvimento ou transformação de idéias, sistemas, costumes, hábitos, seres orgânicos e inorgânicos. (Fonte: http://www.dicionariodoaurelio.com)

Qual é a coisa mais importante da vida?

Algumas vezes você já foi abordado por este pensamento, “a coisa mais importante da vida”.

Muitas ideias nos vêm à mente, saúde, felicidade, amor, Deus, fé, família, trabalho, enfim são muitas resposta, mas qual é a mais correta?

Daí pensei na evolução. O que seria da vida sem evolução?

Nós somos seres evolucionários. Essa é nossa natureza.

Podemos viver sem saúde, viveremos mal, mas viveremos.

Podemos viver infelizes, isso é ruim, mas viveremos.

Podemos viver sem fé, Deus, trabalho, família, etc..., mas como poderemos negar nossa própria natureza evolucionaria e viver uma vida sem evolução?

A evolução é a coisa mais importante da vida, a partir do momento que somos gerados passamos a evoluir constantemente, porque é nossa natureza.

No momento que paramos de evoluir começamos a perder o brilho, deixamos a beleza da vida para traz. Quem percebeu a evolução e a perde muitas vezes não resiste sua falta e acaba por dar fim a própria vida, ou, definha aos poucos num mar de tristeza e desilusão, tendo a lembrança de um passado glorioso.

Podemos viver sem evolução, mas isso é uma negação de nossa própria natureza. Em contra partida quando evoluímos conscientemente somos mais felizes, autoconfiantes, cheios de esperança pelo por vir, podemos ter boas lembranças do passado, porém nosso foco é o presente.

PENSAMENTO

“Semeamos nossos pensamentos e colhemos nossas ações.
Semeamos nossas ações e colhemos nossos hábitos.
Semeamos nossos hábitos e colhemos nossos caráter.
Semeamos nosso caráter e colhemos nosso destino”. (Charles A. Hall)

quarta-feira, 24 de julho de 2013

3 para 1: o índice de positividade que pode mudar sua vida

Um estudo fascinante conduzido por Barbara Fredrickson, professora de psicologia na Universidade de Carolina do Norte / Chapel Hill, mostrou que as pessoas que têm sucesso de maneira contínua têm uma proporção 3 / 1 de pensamentos positivos e negativos. Ou seja, para cada pensamento negativo, eles/elas têm 3 pensamentos positivos para compensar.

Os resultados foram publicados num livro chamado Positivity, The 3 to 1 Ratio That Will Change Your Life (Positividade, a razão de 3 para 1 que vai mudar sua vida – ainda sem tradução no Brasil).

Para quem interessar, a versão em inglês pode ser encontrada na Amazon para entrega no Brasil:
www.amazon.com

A positividade tem inúmeros pontos... Positivos, como não poderia deixar de ser. Já está comprovado que a positividade melhora o humor, a saúde, o rendimento no trabalho, o foco, a criatividade e a inovação e os relacionamentos.

Por isso, recomendo que faça o “Teste da Positividade”, criado pela professora Barbara Fredrickson, para ver como anda a sua relação pessoal entre positividade e negatividade.

Teste: como você sentiu-se nas últimas 24 horas? Analisando seu dia e usando a escala de 0 a 4 abaixo, indique como você se sentiu em relação a estas situações. Exemplo, se em algum momento do dia você sentiu MUITA alegria, coloque 4. Se não teve nenhum momento de alegria, coloque 0. Se sentiu alegria, mas não muita, só um pouquinho, coloque 1 ou 2. E assim por diante.

0 = nada
1 = um pouco
2 = moderadamente
3 = bastante
4 = muito!

01) Senti-me divertido, interessado ou descontraído?

02) Senti-me brabo, irritado ou incomodado?

03) Senti-me deprimido, humilhado ou desgraçado?

04) Senti-me admirado, maravilhado, positivamente surpreso?

05) Senti-me desdenhado, zombado, desprezado?

06) Senti-me desgostoso ou revoltado?

07) Senti-me envergonhado ou negativamente surpreso?

08) Senti-me grato e apreciativo por alguém ou alguma coisa?
09) Senti-me culpado ou arrependido?

10) Senti ódio, desconfiança ou suspeita?

11) Senti esperança, otimismo ou coragem?

12) Senti-me inspirado?

13) Senti-me curioso, alerta ou interessado?

14) Senti-me alegre ou feliz?

15) Senti-me amado, reconhecido, compreendido?

16) Senti-me orgulhoso ou autoconfiante?

17) Senti-me triste ou infeliz?

18) Senti medo ou temor?

19) Senti serenidade, contentamento ou paz?

20) Senti stress, nervosismo ou excesso de pressão?
 
Resultado:
a) Para cada item com nota 2, 3 ou 4, coloque um sinal de positivo (+) ao lado.

b) Para cada item com nota 1 ou 0, coloque um sinal de negativo ( - ) ao lado.

c) Conte quantos (+) você teve e quantos ( - )

d) Calcule seu índice de positividade dividindo o número de positivos pelos negativos.
O índice ideal é de 3/1 ou seja, 75% ou mais.

Um líder pode depois trabalhar esses escores para analisar por que uma pessoa, um departamento ou uma filial estão com baixos índices (e o que fazer para melhorar).

E também analisar as pessoas e os departamentos com altos escores de positividade, para entender e aprender o que eles estão fazendo para ter esses resultados.

Lembre-se: nossa tendência natural é de dar mais atenção aos pensamentos e situações negativas (volume mais alto) do que aos pensamentos e situações positivas.

Líderes que quiserem aumentar o engajamento da sua equipe precisam naturalmente dedicar-se a melhorar este número. Ele não virá naturalmente. Se você deixar a coisa solta, naturalmente os escores de positividade têm a tendência de ficar fora da zona de alta produtividade.

75% de positividade, ou 3 / 1: esse é o número que você está buscando.
P.S. Texto resumido e extraído do editorial da revista Liderança. Para ler o artigo completo, assine a Liderança: www.editoraquantum.com.br